O que revelam os dados de homicídio em Ponte Nova?

A segurança pública traz evidências peculiares dos mais diversos segmentos da Administração Pública e é tida como pilar fundamental na construção do bem estar da população quando bem articulada.

Um bom indicador para análise de desempenho da segurança pública é o número de homicídios em um determinado período de tempo e seu comportamento no decorrer dos anos. Contudo, é importante destacar dois pontos: os homicídios são, por vezes, culposos, quando não há a intenção de matar; sua ocorrência pode estar associada a diversas situações, como acidentes de trânsito, brigas, assaltos, entre outras.

O OPN abordará nesta análise o número de homicídios ocorridos no município de Ponte Nova com dados anuais do período de 2009 a 2017. Além disso, para melhor descrever o perfil de ocorrência desse fenômeno, a análise também desassocia os dados em grupos de sexo e faixa etária. Os dados foram extraídos do Ipeadata.

Como é observado no gráfico abaixo, o município apresenta variações significativas nos diferentes anos do período analisado. Não obstante, é fácil notar o maior peso de pessoas do sexo masculino nos homicídios ocorridos. Em 2016, por exemplo, dos 17 casos totais de homicídio em Ponte Nova, absolutamente todos ocorreram com pessoas do sexo masculino.

Fonte: Ipeadata.          

Além desse fato, a separação dos dados em grupos de idade evidencia a prevalência dos casos de homicídio entre jovens de 15 a 29 anos. Tal constatação coloca como foco a necessidade de uma maior atuação da administração pública frente a este fato. Assim, com o objetivo de melhor compreender o porquê deste grupo populacional se envolver mais nas ocorrências de homicídio, possíveis alternativas de solução para a problemática ao longo do tempo serão melhor debatidas. No ano de 2012, por exemplo, dos 17 casos totais de homicídio na cidade, 13 foram entre jovens de 15 a 29 anos.

Fonte: Ipeadata.

Ademais, a Pesquisa de Informações Básicas Municipais – MUNIC (2019), cujo levantamento traz informações de estrutura, dinâmica e funcionamento das instituições públicas dos municípios brasileiros, disponibiliza a realidade estrutural da segurança pública pontenovense. A respeito dos tipos de delegacia, Ponte Nova dispõe apenas da Delegacia de Polícia Civil, não havendo, por exemplo, Delegacia de Homicídios ou mesmo de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). Evidentemente, é preciso considerar o tamanho da cidade e a realidade municipal como forma de enfatizar as causas de homicídio para garantir a viabilidade no desenvolvimento e na ampliação efetiva da estrutura da segurança pública de Ponte Nova.

* Nota

A imagem em destaque é proveniente do Pixabay .

Agradecimentos a Clker-Free-Vector-Images.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.