[Editorial FPN] Ponte Nova pós-temporais

“Esta sensação de abandono, gerada pela falta de gestão da Prefeitura, incomoda a todos nós. São buracos nas ruas, obras malfeitas, sujeira, transtornos que vão além dos problemas causados pelas chuvas. Diante desse cenário, a Comissão de Serviços Públicos Municipais/CSPM da Câmara de Ponte Nova propôs a convocação do dirigente da Secretaria Municipal de Obras/Semob, Luizinho Borges.”

A declaração é da vereadora Suellenn Monteiro/PV, presidente da CSPM, em postagem pelas redes sociais, antecipando que cobraria dele “ação efetiva para a resolução dos problemas”. O depoimento de Luizinho Borges ocorreu a partir das 15h de ontem, quinta-feira (24/2), após o fechamento da edição desta FOLHA.

Nossa Reportagem, todavia, ouviu Luizinho sobre o que preparou para o encontro com os vereadores. Ele ratificou o teor das declarações desta semana dadas pelo prefeito Wagner Mol/PSB (leia ao lado nesta página).

De fato, conforme o dirigente da Semob, haverá custeio de cerca de R$ 1 milhão para gigantesca operação tapa-buracos, a qual depende da estiagem deste verão, podendo começar após a semana de Carnaval, como disse ele. Haverá atuação terceirizada da empresa 3T Construções, com reforço, em diversas frentes de trabalho, da equipe da Semob.

Luizinho antecipou para esta FOLHA que a quantia acima está dentro do orçamento de R$ 6,5 milhões destinado a bancar minuciosa operação de recapeamento e instalação/ampliação de rede pluvial em várias regiões urbanas.

Borges inclusive antecipou os trechos onde haverá intervenção radical, com substituição completa da pavimentação da av. Getúlio Vargas/Triângulo, das ruas Santo Antônio, Teófilo Nascimento/ambas no bairro Santo Antônio e João Vidal de Carvalho/Santo Antônio-Guarapiranga e de trecho da rua João Alves de Oliveira/Triângulo-Rasa.

Ainda conforme o secretário, dentro do valor total do orçamento acima citado, está a licitação de R$ 2,2 milhões para diversas obras de infraestrutura, as quais serão dimensionadas em breve.

Esta FOLHA apurou que ainda se prepara uma frente de trabalho para revitalização de estradas rurais afetadas pelas recentes chuvas. Como se percebe pela cidade, são tantas as demandas pós-temporais que a Defesa Civil local já está iniciando a revisão do plano de contigenciamento destinado a mapear o novo cenário de áreas de risco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.