A influência de Ponte Nova na saúde da região

A gestão de saúde no Brasil, cuja responsabilidade é dividida entre os entes da federação, deve garantir a universalidade e a equidade no acesso aos serviços da área (ver artigo 196 da Constituição Federal de 1988). É comum, no entanto, que municípios de pequeno porte encontrem dificuldades na oferta de determinados serviços, podendo dificultar o acesso de seus residentes. Com isso, municípios considerados pólos e que possuem melhor estrutura, tendem a concentrar a oferta de serviços de saúde – normalmente de média e alta complexidade – e atrair residentes de municípios próximos que possuem estrutura mais precária.

Ponte Nova, nesse contexto, encontra-se como sede do consórcio intermunicipal de saúde (CISAMAPI). Este formato de cooperação intermunicipal é composto por 20 municípios e foi criado com o intuito de possibilitar a superação de problemas da área da saúde que eram inviáveis de serem resolvidos por cada um de seus municípios isolados.

Ponte Nova é também sede da superintendência regional de saúde, organização articulada pelo estado de Minas Gerais, a qual engloba 30 municípios com população total de cerca de 338 mil pessoas. Com essa atribuição, o município se responsabiliza em escala regional na implementação das políticas estaduais de saúde, assessora outras organizações, coordena, monitora e avalia as atividades e ações, promove articulações interinstitucionais e executa outras atividades e ações de competência estadual.

A tabela abaixo mostra a quantidade de procedimentos ambulatoriais aprovados por grupos de procedimentos, catalogados pelo DataSUS, referentes aos anos de 2019 a 2021. As colunas são ainda divididas da seguinte forma: total de procedimentos realizados em Ponte Nova; total de procedimentos realizados por ponte-novenses independente da localidade, ou seja, não necessariamente realizados na cidade em questão.

Tabela 1 – Quantidade aprovada de procedimentos ambulatoriais

Fonte: DataSUS.

Nota-se, dessa forma, clara diferença entre os procedimentos realizados em Ponte Nova se comparados a procedimentos realizados por ‘ponte-novenses’, isto é, o contingente de pessoas de outros municípios a realizarem procedimentos ambulatoriais no município é, no mínimo, consideravelmente maior que aqueles demandados pelos munícipes, exceto o grupo de procedimentos ‘transplante de órgãos, tecidos e células’.

Dentre os procedimentos mais buscados estão os medicamentos, os procedimentos clínicos e os procedimentos com finalidade diagnóstica. Vale o destaque para as ações de promoção e prevenção à saúde, em que a grande maioria é proveniente de demandas de não ponte-novenses.

Nesse cenário, Ponte Nova é visto como município pólo e, por isso, responsável por ofertar diversos serviços da área a residentes de diversos municípios da região. Logo, mensurar o quanto Ponte Nova atende de outras localidades e quais os grupos de procedimentos mais utilizados é de suma importância para o planejamento da saúde não só a nível municipal como também a nível regional.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.