[Editorial FPN] Pensando a cidade

Secretário/PN de Obras nas duas gestões do prefeito Antônio Bartolomeu (1978/1982 e 1988/1992), o engenheiro José Maurício Pereira registrou relevante depoimento em 4/6 (sábado) durante a Sessão Itinerante da Câmara Municipal, na praça de Palmeiras.

“Tivemos oportunidade de construir o sistema de macrodrenagem pluvial de Ponte Nova, complementar obras de prefeitos antecessores e começar novas obras. Destaco a obra da galeria do Pachequinho, o prologamento da galeria da Vila Alvarenga e a construção da galeria do bairro Palmeiras”, sublinhou José Maurício para refletir:

“Acredito que, para a época, estávamos dotando a cidade de infraestrutura de drenagem. Mas os tempos passaram, a cidade cresceu e não se implantaram outras galerias. Além disso, criaram-se vários bairros, a exemplo da área do entorno de Palmeiras, sem a devida dotação de redes pluviais. Com isso, em grandes precipitações de chuvas, temos a crescente inundação da parte baixa desse bairro.”

José Maurício acredita que Ponte Nova não vai conviver com cheias similares às da cidade de Viçosa, por exemplo: “O nosso rio Piranga é complacente, tem uma caixa enorme e capacidade de receber, em período de cheia, até dez vezes mais o volume regular de água.”

Na análise do engenheiro, “faltam, no entanto, pela cidade e em Palmeiras, a complementação da drenagem bem como redes secundárias”. Ele ainda se referiu à necessidade de caixas coletoras para receber as águas. José Maurício elogia a Prefeitura pela instalação de redes de tubos modelo PAD, com capacidade muito maior de escoamento das enxurradas.

Ele lamentou, por outro lado, a ligação – ao longo do tempo – de redes de esgoto nas redes pluviais e pondera que, desde o seu tempo, o Dmaes não encaminhou simultaneamente a implantação de redes e a construção de novas redes de esgoto, o que se refletiria hoje na facilidade de instalação dos interceptores que vão atender a Estação de Tratamento de Esgoto.

Concluiu José Maurício: “Vejo com muita preocupação o sistema de drenagem de esgoto em Ponte Nova, pois ele não evoluiu adequadamente. Deixo minha crítica e me coloco à disposição para o que requererem de mim, pois tenho em mente tudo o que se fez desde 1978 e poderia ajudar em nova etapas.”

Resumimos aqui o depoimento de José Maurício como fator de fomento a tão importante debate.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.